20 Princípios, Artigos Parent's Review, Filosofia de Educação, Hábitos

[Parent’s Review] A Cura de um Hábito Mental

Autor desconhecido


Volume 2, 1891/92, pgs. 193-209

Eu li ” Dorothy Elmore’s Achievement ” na edição de janeiro da Revista dos Pais com grande interesse, e como posso fornecer algum testemunho da verdade do princípio que a história ensina, escrevi o seguinte relato de uma experiência pessoal.

Casei-me jovem com um homem com o dobro da minha idade, com quem passei dezoito anos muito felizes. Na verdade, raramente vi um casamento como o nosso e, olhando para trás, frequentemente atribuo boa parte dessa felicidade aos fatos seguintes.

Eu não tinha ainda muitas semanas de casada quando descobri que meu marido tinha uma disposição mal-humorada. Foi uma surpresa para mim, porque eu nunca tinha visto alguém realmente mal-humorado antes. Eu nunca tinha ido à escola nem me associado a outras crianças. Eu era filha única sem parentes, e a tendência de nosso pequeno círculo familiar era a irritabilidade de um tipo sincero que logo acabava, certamente com nenhum mau humor.

Esta nova experiência não foi agradável e admito que me senti alarmada. Eu amava muito meu marido; ele era um homem altamente intelectual, cheio de bom senso, possuidor de um coração bondoso e devotado a mim, mas eu imediatamente vi que “a pequena mancha” deu fruto em seus anos e “arruinaria tudo lentamente” e eu disse “Isso não pode ser assim!”

Reconheci que tal condição mental ou moral para um homem como meu marido era uma doença, e me perguntei se era curável na idade dele, quarenta anos; suportável eu não a achei – para mim mesma!

Por muito tempo, ponderei sobre o caso de problemas mentais que haviam chegado ao meu conhecimento, pois, embora isso tenha acontecido antes que o treinamento científico fosse considerado uma parte necessária da educação de uma menina, meu próprio senso comum me ensinou a observar que existem muitas aberrações no cérebro de pessoas perfeitamente sãs. Determinei-me observar e estudar meu paciente, e elaborar um plano que pudesse curá-lo, mesmo na sua idade de ataques crônicos de aborrecimentos, aos quais logo soube que ele havia cedido desde criança.

Acho que o primeiro raio de luz útil surgiu em minha mente quando, um dia, lembrando de um ataque particularmente tentador que o acometia, exclamei interiormente: “Oh! Se eu fosse sua mãe, ele nunca teria se tornado assim!” Isso foi uma revelação. O seguinte pensamento foi: “Por que eu não deveria me tornar uma verdadeira mãe para ele e ajudá-lo contra si mesmo? Eu não acredito que seja tarde demais para consertar. Ele deve continuar dessa maneira tola – ele que é tão bom, inteligente e querido – até o fim dos seus dias? E se tivermos filhos, eles também ficarão mal-humorados? Não, nunca, se eu puder ajudar! Além do mais, porque seria bom para ele se casar comigo se não for para eu ajudá-lo em troca de tudo o que ele está me ensinando? Sim, ele deve ser curado, e eu vou fazer isso”.

Depois de cada “ataque”, nós costumávamos conversar longamente sobre o assunto, pois eu via como ele estava envergonhado de não conseguir se controlar. Nós dois tentamos muitos planos de correção com sucesso. Não brigamos, pois no dia do nosso casamento havíamos entrado em um pacto solene para nunca ficarmos zangados ao mesmo tempo. Que quando alguém se sentisse “desorientado” de alguma forma, o outro que supostamente estaria mais capaz de segurar as rédeas do autocontrole iria apertar o freio em si mesmo até que o mal-humorado tivesse voltado, e isso funcionava bem, mas não impedia os hábitos mal-humorados do meu querido marido. Eles simplesmente se tornaram arraigados; sua vontade, geralmente forte, perdera seu poder de concentrar-se, por assim dizer, naquelas ocasiões particulares, e precisava da ajuda de outra vontade para permitir que sua condição enfraquecida se recuperasse.

Finalmente pensei no seguinte plano, que segue o mesmo princípio defendido pelo Dr. Evans na história de Dorothy, embora difira em detalhes. Elaborei um pequeno contrato com termos legais (ainda o guardo em meio a outras lembranças preciosas daquela parte abençoada de minha vida) que determinava que sempre que meu marido fosse tomado por um dos velhos humores ou ataques, eu deveria permitir a ele cinco minutos para recolher seus pensamentos e concentrar sua força de vontade. No final desse período, se estivéssemos sozinhos, eu o beijaria, se não estivéssemos, eu olharia para ele. Tudo que eu exigi como uma promessa estrita dele era que ele aceitaria o beijo, e devolveria o olhar. Ele assinou o acordo. Fiz isso também, pois tinha que prometer que não permitiria que qualquer aborrecimento que eu sentisse pudesse impedir o beijo ou o olhar; e pouco tempo depois, a primeira ocasião ocorreu quando a condição acordada teve de ser cumprida. Meu coração bateu rápido com a experiência. A novidade fez com que ela fosse bem sucedida da primeira vez, mas eu sabia que o resultado nem sempre seria tão satisfatório. Ainda assim me convenci que pouco a pouco o mau hábito deveria ser abandonado e, lentamente, mas definitivamente, ele desapareceu. Eu não digo que não foi uma luta difícil, foi. Levou vários anos para conseguirmos, mas quando uma vitória é fácil? Muitas e muitas vezes eu dizia em voz baixa ao olhar para o meu relógio: “O tempo acabou, querido”, e então via uma nova luz aparecer nos olhos e, tendo-lhe confiado o desejo que movia minhas ações, muitas vezes ouvi seus próprios lábios ecoarem meu pensamento: “Se você tivesse sido minha mãe!” Isso não valeu a paciência e a esperança?

Ele morreu com cinquenta e nove anos. Nosso filho mais velho tinha dezesseis anos, nosso filho caçula tinha dez. Eles estão crescidos agora, e há pouco tempo contei a eles essa história, para seu espanto, pois nunca souberam que seu pai havia sido vítima de tal hábito. Como nossos filhos desfrutavam de sua intimidade, sua ignorância do fato me demonstra que nós vencemos aquela forma angustiante de mau humor.

Quaisquer que fossem os atenuantes que ele possuía no final de sua vida, eles eram tão leves que não eram perceptíveis, exceto para a esposa que amava os fracos lembretes das lutas e vitórias passadas.

Aquela disposição apareceu em alguma das crianças? Um dos meus filhos tem ocasionalmente mostrado uma tendência ao silêncio quando não está satisfeito, e sem dúvida a melancolia teria evoluído para a falha hereditária se ele não tivesse sido ajudado por uma determinação vigilante por parte daqueles que sabiam que ele tinha que ser protegido da armadilha até que o hábito de um “padrão” mental diferente fosse estabelecido.

Traduzido e revisado por Paula Lima e Gabriely Cruvinel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s