[Parents Review] “Opiniões e Princípios”

Nota da edição, por Tina Schallhorn:

O artigo deste mês está sendo lançado simultaneamente em parceria com Charlotte Mason Poetry. Este artigo está sendo disponibilizado hoje pela primeira vez on-line para as comunidades Charlotte Mason norte-americana e brasileira. Agradecemos à equipe da Charlotte Mason Poetry por nos permitir participar deste lançamento duplo para as Américas, e acreditamos que você encontrará muito prazer e inspiração neste artigo recentemente descoberto, e escrito pela própria Charlotte Mason.

 

Nota do editor, por Art Middlekauff.

Em 15 de novembro de 1909, os membros da Parents National Education Union (PNEU) reuniram-se em Birmingham para sua décima terceira conferência anual. Por esta altura, Charlotte Mason já havia completado os cinco primeiros volumes da série Home Education. No segundo dia da conferência, Lady Campbell leu um artigo de Mason intitulado “Opiniões e Princípios”. No livro “História de Charlotte Mason”, Essex Cholmondeley descreveu este artigo:

 “Opiniões e Princípios” apareceu no ano seguinte (1909). Aqui, novamente, a Senhorita Mason estava preocupada com a conduta da vida, mostrando que as opiniões e princípios que são reunidos à medida que a vida continua, devem ser um crescimento natural e vivo do amplo conhecimento coletado durante os anos escolares. Esse conhecimento vem da leitura inteligente, juntamente com uma ideia clara do plano básico da natureza humana, assim como achamos no livro Ourselves (volume 4). (p. 118)

 Cholmondeley citou em seu livro apenas alguns parágrafos deste artigo. Mas quando foi publicado na revista Parents Review em janeiro de 1910, o artigo completo cobria todas as 18 páginas. O resumo de Cholmondeley nos deu apenas um vislumbre do conteúdo rico e variado desta gema. Temos o prazer de agora compartilhá-lo em sua totalidade, um documento que pode ser considerado um resumo – uma sinopse – da filosofia de educação de Mason, uma prévia de seu trabalho final, Towards a Philosophy of Education (volume 6).

***

SEGUNDO DIA. TERÇA-FEIRA, 16 de novembro.

FRIEND’S MEETING HOUSE, BULL STREET.

10:30 da manhã MRS. GEORGE CADBURY preside.

DOIS ARTIGOS SOBRE GUARNECER MENINOS E MENINAS: – OPINIÕES E PRINCÍPIOS.

Um artigo de MISS CHARLOTTE M. MASON, lido por LADY CAMPBELL.

 

Alguns de nós têm lido ultimamente o “Guia do Pequeno Arthur para o Conhecimento”, nas páginas do Punch. “Arthur”, doze anos, faz perguntas – perguntas persistentes e cansativas, pontuadas com “por que” e “você disse”; e as pessoas que o cercam estão intranquilas. Elas são pessoas boas também, com noções sobre criar bem o menino – um pai, um tio, uma irmã mais velha e uma governanta; mas a base sobre a qual ele examina todas elas são seus dizeres e feitios, e eles têm um mal resultado.  Duas reflexões sugerem a si mesmas – que Arthur é um pequeno e abominável pretensioso e merece ser repudiado; e que os seus familiares são uns pobres coitados, o menino está mal e depende deles para a sua educação.

Agora, Arthur não é realmente um pretensioso; o problema é que ele diz em voz alta, como um personagem de Maria Edgeworth, o que as crianças geralmente guardam para si mesmas; e os seus, que mostram-se pesarosos, são bem dispostos, bem intencionados e tão inteligentes quanto o resto de nós. As conclusões óbvias que tiramos estão equivocadas; mas todos esses mesmos artigos do Punch  são uma contribuição ao nosso pensamento sobre educação. Duas coisas aparecem claramente: primeiro, que o menino quer conhecer; e, em seguida, que seus mais velhos e seus exemplos não estão em posição de instruí-lo. O que “Arthur” quer é material com o qual formar opiniões. Ele deve construir opiniões como ele deve construir seus ossos; e, assim como há um longo período de adolescência permitido para a formação de seus tecidos corporais, um longo período é destinado para sua educação, a fim de que ele possa, lenta e naturalmente, coletar material do qual suas opiniões devem se desenvolver e sobre as quais seus princípios podem crescer.

Aqui é onde o “Pequeno Arthur” vem para ilustrar. Ele coleta em um campo vazio; e me parece que a educação moderna, excelente como é, falha em dar às crianças o material mental abundante e variado que elas deveriam ter para produzir suas opiniões.

O pai de Arthur, o tio e a governanta pedante são, como o resto de nós, mais liberais com suas opiniões, ou o que eles consideram opiniões; mas o menino não acha isso satisfatório. Ele não quer opiniões prontas, mas coisas das quais fazê-las. Uma centena de coisas surge todos os dias sobre as quais ele inconscientemente pensa – o policial na esquina, as vendas anunciadas em vitrines, a frota, o guarda, o pólo sul, dirigíveis, sua própria família e seus modos, os vizinhos da porta ao lado que, de alguma forma, pensam sobre as coisas de uma maneira diferente.

Reflexões casuais dispersas sobre todos os assuntos de conduta e história atual chegam ao menino, mas ele não pode se apossar de dados suficientes para permiti-lo pensar claramente sobre qualquer um desses assuntos.

Sua experiência de vida é muito estreita; e a lógica aguçada da mente de uma criança o faz consciente de que as pessoas que ele conhece impõem falácias e preconceitos por meio de opiniões e princípios sólidos.

Aos poucos, ele aprende o truque, pega a palavra-chave do momento, economiza-se da dificuldade de pensar e torna-se, por sua vez, flácido, esquivo, mais desta natureza do que de uma natureza individual.

Estamos todos aptos a supor que o pensamento é livre. Estamos dispostos a aceitar algum tipo de código, escrito ou não, para nossas ações e até mesmo nosso discurso; mas nosso pensamento – por que seria intolerável tê-lo sob a regra! Certamente, podemos pensar o que gostamos mesmo se devemos abster-nos de dizer ou fazer a coisa que pensamos! Esta noção da liberdade de pensamento, a idéia de que nossas mentes, de qualquer forma, podem se comportar como libertinas licenciadas, que nossos pensamentos são livres para ir onde quiserem e pegar o que eles escolherem, nos reduz à condição de intelectuais casuais.” [não há abertura nesta citação] Algo por meio do pensamento deve ocupar nossas mentes; nós não percebemos nenhum dever no assunto, nenhuma necessidade de ordenar nossos pensamentos ou, o que é mais importante, de fornecer a nós mesmos um suprimento periódico de material para digestão intelectual. Então, nós andamos por aí em um estado de avidez por qualquer falácia no ar que podemos pegar e cultivamos como nossa “opinião” – a ser transmitida com a diligência digna de uma melhor causa. Talvez nosso caso seja menos sério do que aquele que Emerson indica em seus próprios compatriotas. Não podemos dizer que setenta mil ingleses estão “por aí fazendo pesquisas de uma religião”; mas nos orgulhamos de uma tolerância que às vezes pode surgir da ignorância que não sabe como distinguir entre coisas que se diferem. Em questões sociais, pensamos com uma tolerância fácil de sentimentos e situações que, graças ao céu, ainda não nos sentimos livres para imitar. Esse é o tipo de coisa:

“Ele é o tipo de homem que morreria por seu país. Mas eu sou cosmopolita. Todos os países são iguais para mim e eu não morreria por nenhum deles.”

“Casamento não deveria ser uma instituição permanente. Deveria terminar onde o amor termina.”

“Eu sempre perdoo a todos. Nós não podemos ser todos parecidos e não podemos ser todos heróis.”

Esse é o tipo de coisa que é usada com avidez surpreendente uma “silly season” [ver nota de tradução no fim do texto] após a outra, e devemos ficar surpresos com o modo com que essas noções se espalham, como epidemias, se não percebemos que multidões estão andando por aí com mentes famintas em corpos bem alimentados para quem qualquer sorte de uma noção é melhor que nada.

Em questões políticas, novamente, confiamos em nosso jornal, que é expressamente o órgão (instrumento) de nossa festa, e não olhamos as luzes laterais lançadas por outros escritos ou para a iluminação a ser possuída da história e da literatura. Que material coletamos? Saímos de compêndios e palestras; e esses não podem arcar com os detalhes copiosos sobre os quais a mente é capaz de pensar.

Para citar o Punch mais uma vez:

“Tory: Mas talvez você não tenha lido nossos documentos?

Radical: Não, eu não li e não quero ler. . . . Você leu este Leader?

Tory: Não, eu não li e eu não quero ler.”

É isso. Nós achamos que o nosso pensamento está concluído, porque, na verdade, não sabemos o suficiente para pensar por nós mesmos.

Somos lentos em reconhecer nossa necessidade de uma dieta mental, variada e boa, servida em intervalos curtos e regulares; e se isso é necessário para o adulto que, por assim dizer, já formou seu “tecido” mental, quanto mais é para os jovens que estão formando os “ossos” de suas mentes, as opiniões sobre as quais eles tomam posição?

Talvez não estejamos justificados em entreter ou oferecer uma opinião que não é o resultado do conhecimento e da reflexão. Uma opinião sobre uma pessoa, por exemplo, quer seja um dos nossos conhecidos ou um homem na vida pública, depende do seu valor em nosso conhecimento íntimo com uma ampla gama de pessoas, tanto na vida quanto na literatura.

Napoleão conhecia homens e seu conhecimento das fontes de conduta era um dos segredos de sua carreira surpreendente, mas então, ele não se contentou em estudar apenas homens. Ele leu diligentemente, mesmo no meio de eventos absorventes; Homero, a Bíblia, o Alcorão, poesia, história, Plutarco; na verdade, o tipo de leitura melhor calculada para dar-lhe uma chave para o personagem e um guia nos assuntos. Provavelmente a história não oferece um exemplo mais brilhante do que pode ser chamado de inspiração literária no julgamento direto quanto aos assuntos da vida: a sinceridade de sua dependência da literatura é demonstrada por fatos como a sua observação naquele dia desastroso em Brienne, durante uma acusação dos cossacos, uma árvore sob a qual o menino costumava ler Jerusalém Libertada de Tasso. Mais uma vez, enquanto doente em Dresden, a notícia do desastre às suas tropas  na Rússia é trazida a ele e ele diz –  brincando com suas bússolas:

– “J’ai servi, commandé, vaincu quarante années;

Du monde, entre mes mains e j’ai vu les destinées;

Et j’ai toujours connu qu’en chaque evènment

Le destin des états dependait d’un moment.”²

De fato, convinha ao homem que reviveu o papel dos Césares estudar sua parte; o homem, cujo sucesso dependeu do generoso entusiasmo de seus seguidores, aprendeu com registros anteriores como generosa, dedicada, única em propósito, uma massa mista de homens pode se tornar.

Literatura e história ensinaram-lhe estas coisas, e ele sabia como aplicar o seu conhecimento com uma definição e exatidão menos que generosa. Nós temos alguns exemplos mais refinados do tremendo poder prático da cultura liberal; nem sempre nos deparamos com uma indicação mais exata de suas limitações.

As opiniões de Napoleão eram quase sempre justas; quando ele explica suas razões para restaurar a adoração divina na França, ele menciona como ele tinha sido movido por ouvir os sinos de uma aldeia, e acrescenta que, se tal incidente o move, certamente deve afetar as pessoas – porque a religião é natural para todos os homens.

De Luís XVI, ele diz: “Não, não, ele não era tirano; teria ele sido um que hoje eu deveria ter feito Capitão de Engenheiros.”

Talleyrand é objetado por causa de sua política catavento. “Seja assim”, disse Napoleão, “mas ele é o mais hábil ministro dos negócios estrangeiros em nossa escolha”. Carnot foi menosprezado como republicano. “Republicano ou não”, disse o imperador, “ele é um dos últimos franceses que gostaria de ver a França desmembrada”.

Nós todos sabemos que Napoleão era um gênio, mas o gênio é, por assim dizer, a máquina que age sobre a matéria-prima proporcionada pela educação e pelas circunstâncias; e os resultados práticos da avidez de Napoleão pelos livros são de certo modo úteis para todos nós. O poder de ter uma visão generosa dos homens e seus motivos, ver onde está a grandeza de um determinado personagem, ter o julgamento de alguém dos eventos presentes ilustrado e corrigido por paralelos históricos e literários, ter, de fato, o poder do julgamento abrangente – esses são ativos admiráveis dentro do poder de todos, de acordo com a medida de sua mente; e esse tipo de material para suas opiniões, um pano de fundo para suas ações, deve ser o primeiro cuidado de seus educadores para fornecer para um jovem.

Nós somos muito aptos a oferecer opiniões prontas aos jovens, a transmitir o que pensamos, ou o que acreditamos que pensamos; e isso responde ao seu propósito se considerarmos apenas a facilidade e conveniência de agir sobre linhas habituais de pensamento. Mas cada um de nós deve adicionar sua cota ao pensamento do mundo, deve produzir o que, se não é novo em si, é novo para ele, e é sobre o poder do pensamento original que todas as ações dignas de nota dependem. Agora, pensamento gera pensamento. Isto é como o pensamento vital toca nossas mentes, que nossas próprias idéias são vitalizadas no contato, e de nossas idéias vem nossa conduta de vida. É por isso que o impacto direto e imediato de grandes mentes sobre sua própria mente é um fator necessário na educação de uma criança. Se você quer saber até que ponto uma determinada escola se dispõe a fornecer aos seus estudantes material para opiniões, veja a lista de livros para leitura durante o período atual. Se a lista for curta, a criança não receberá bastante material mental. Se os livros não forem vários, suas idéias se desenvolverão apenas em uma direção; se eles não são originais, mas adaptados deste livro e daquele, ela não encontrará nenhum material em todos eles para seu crescimento intelectual. Novamente, se eles são muito fáceis e muito diretos, se eles lhe disserem diretamente o que ela deve pensar, ela vai ler, sem dúvida, mas não vai se apropriar. Assim como um homem tem que comer um bom jantar para que suas energias físicas sejam estimuladas a selecionar e secretar aquela pequena porção que é vital para ele, as energias intelectuais devem ser estimuladas para extrair o que o indivíduo precisa através de uma oferta generosa e, também, por uma forma de apresentação que não é óbvia.

Nós temos a mais alta autoridade para o método indireto de ensino apropriado à literatura e, especialmente, à poesia. As parábolas de nosso Senhor contêm o mais completo resumo da religião cristã; mesmo hoje, entendemos apenas um pouco, aqui e ali, e imaginamos o quanto poderia ter sido óbvio para os judeus que ouviram esses contos simples em primeira mão. Nós não entendemos, mas nós sabemos. As parábolas são parte integrante de nossa vida como talvez nenhuma outra parte da Bíblia tenha se tornado.

O menino que consegue uma única ideia, noção, material para uma opinião, tirada de um grande livro tem a sua recompensa. Mas, para obter essa recompensa, ele deve ler por si mesmo e deve ler para conhecer. A principal tarefa do seu professor é ver que ele sabe; todos os atos de generalização, análise, comparação, julgamento, etc. A mente se performa no ato de conhecer. Novamente, conhecimento obtido a partir de livros deve ser obtido por causa do conhecimento em si, e não para passar exames; passar é bom, e fácil o suficiente para o menino ou menina que sabe.

Somente “passar” não deve ser colocado em primeiro plano como motivo para estudar. Se a mente estiver pré-ocupada por qualquer motivo subsidiário, aquela digestão intelectual pela qual a inteligência é nutrida não ocorre.

As opiniões, então, não devem ser consideradas de maneira casual. Uma opinião que vale a pena ter deve ser o resultado do nosso pensamento e conhecimento do assunto, deve ser a nossa própria opinião, e não pega como um papagaio pega suas frases; e deve ser desinteressada, isto é, deve não ser influenciada por nossa inclinação. Por que precisamos ter opiniões, é uma questão que nos ocorre. Só porque somos pessoas. Toda pessoa tem muitas opiniões, seja sua, honestamente pensada, ou pega em seu jornal de estimação ou de algum companheiro íntimo. A pessoa que pensa suas opiniões com modéstia e cuidado está cumprindo seu dever, e cumprir nosso dever em nossos pensamentos, formando opiniões justas, é uma parte muito importante do nosso trabalho na vida – nas vidas de homens e nações – porque cada um de nós tem sua parte em formar esse fator poderoso, “Opinião Pública”.

Todos nós devemos obter opiniões sobre o nosso próprio país, sobre outros países, sobre ocupações, divertimentos, sobre os livros que lemos, as pessoas que ouvimos, as pessoas que conhecemos, as imagens que vemos, os personagens que lemos na ficção ou na história – de fato, não há nada que passe diante de nossas mentes sobre o qual não é nosso trabalho formar opiniões justas e razoáveis. Se refletirmos que os anos de infância e vida escolar deveriam ser gastos na obtenção do conhecimento que deveria capacitar os jovens a formar tais opiniões, nós perceberemos mais plenamente o que visar na educação de nossos filhos.

Nós da P.N.E.U. não falamos sem conhecimento; temos praticado nossa doutrina por vinte anos com resultados satisfatórios. Nós vemos que crianças educadas largamente sob livros compararam-se melhor, de fato, com outras que foram educadas em alguns livros e muitas palestras; elas amam livros que são livros, e elas amam o conhecimento por si mesmo. Elas têm entusiasmos generosos, simpatias interessadas, uma visão ampla e julgamento sólido, porque são tratadas desde o início como seres “de amplo discurso, olhando antes e depois”. Falamos que nós sabemos instar os pais a não se contentar com qualquer método de educação para seus filhos que não inclui um uso liberal e sábio, em textos integrais, dos melhores livros.

Retornar a Napoleão, por um único exemplo familiar, vale muito a pena: Ele não foi apenas inspirado, mas obcecado, cego, por paralelos históricos. De Belerofonte ele escreve ao Regente: “Eu terminei minha carreira e vim, como Temístocles, para me sentar no coração do povo britânico.” Ele cita a persistência de Marius para justificar sua fuga de Elba. De fato, ao longo de sua carreira há um curioso elemento do aluno, “brincar de”, um menino de imaginação tão extraordinária que ele acredita na parte que ele está brincando e é capaz de impor sua fé no mundo. Provavelmente nunca houve uma vida em que as “humanidades” exerceram uma influência mais poderosa; Nunca houve um exemplo assim do poder de uma mente informada conquistar o mundo. Napoleão é uma resposta final à alegação de que um conhecimento de livros não tem valor prático; não houve, talvez, nenhum incidente em sua carreira que não foi sugerido, inspirado, ilustrado, por algum precedente histórico, algum aforismo literário.

Mas a época de Napoleão foi uma época que se acreditava em livros e em homens que fazem livros; a Tugenbund, fundada por discípulos de Kant, era uma liga de virtude destinada a despertar alunos prussianos a um senso de seu dever para com o rei e a terra natal. Foi Fichte, novamente, cujas palavras eram como uma trombeta convocando uma nação desesperada e desmoralizada para resistir ao conquistador que eles estavam inclinados a aceitar como invencível. A charmosa e heróica Rainha Louisa, escreveu e disse repetidas vezes que não só Napoleão, mas principalmente a ignorância, era a causa da queda da Prússia; e que se a nação se levantasse novamente, os homens deviam se dedicar ao estudo da história. Ela, por sua vez, ocupou-se sedosamente com o estudo da história da Europa moderna, durante sua permanência forçada e sombria em Memel. A rainha e os filósofos estavam certos; uma Prússia iluminada provou-se semelhante à tarefa da resistência antes que uma nação ignorante tivesse sucumbido.

Nós vemos hoje como os livros fizeram uma nação que pode datar sua ascensão do analfabetismo do mesmo impulso napoleônico. Os dinamarqueses, depois de termos tomado seus navios de batalha, tirando-os das garras de Bonaparte, puseram-se a trabalhar para se tornarem o que são hoje – primeiros agricultores na Europa; e isso eles fizeram através de suas escolas, onde eles conseguem não instrução técnica, mas um curso bastante amplo de leitura em história e literatura. É para isto que as suas Escolas de Continuação existem principalmente e, como no caso de Napoleão, este tipo de investimento de tempo e mão-de-obra trouxe resultados extraordinários.

Pareceu-me valer a pena me deter na carreira de Bonaparte porque, se ele ilustra a necessidade de uma leitura liberal e persistente como preparação para a vida, ele mostra tão forçosamente que, o menino que sai com amplo material para a formação de opiniões é preparado para a vida de um lado só. Ele tem o conhecimento que é poder, mas ele quer a sabedoria que é conduta. Napoleão era tão amoral quanto um menino inteligente e indisciplinado que teve uma biblioteca para exercitar-se, mas não foi ensinado a se ordenar. Bem tem sido dito sobre ele:

“Um império que você poderia esmagar, comandar, reconstruir,

Mas governe não a sua paixão mais mesquinha, nem

Tão profundamente no espírito dos homens qualificados,

Olhe através do seu próprio.”

Um aventureiro sem lei entre as nações, generoso do começo ao fim; mas que dizima um excesso de rapinas e abate, sem piedade, sem integridade, embora não sem lealdade, refugiando-se em mentiras nas crises morais de sua vida, mesquinhas, vis e vulgares quando pequenas coisas o atravessavam – ele permanece diante de nós um exemplo em escala gigantesca dos perigos de uma educação que é meramente prática.

Mas podemos perguntar: o que tudo isso tem a ver conosco? Nós pintamos em uma tela menor e não corremos esses riscos. Na medida em que encorajamos nossos filhos a acreditar que o sucesso é a principal coisa (“La gloire”, vamos chamá-lo), nossas fundações estão no mesmo plano geral, por menor que seja nossa escala. Nossos filhos não podem fazer melhor do que imitar Bonaparte em sua ampla e prática conversa com livros; mas vamos fazer com que eles tenham, não apenas opiniões em uma escala, mas princípios para contrabalançar estas em outra; e de certos princípios de conduta, Napoleão parece ter sido curiosamente desprovido. Ele percebeu plenamente que tais restrições existem?

Ninguém é sem princípios – aquelas regras estabelecidas de ação pelas quais uma pessoa escolhe guiar sua vida. Essas luzes orientadoras, nossos princípios de conduta, cada um de nós deve acumular, como suas opiniões, para si mesmo; isto é, cada um de nós deve escolher o que teremos, mas somos infinitamente ajudados ou impedidos pelos exemplos e pelos motivos que são colocados diante de nós. A criança que é criada em um lar virtuoso geralmente faz uma escolha involuntária de princípios de retidão para sua orientação. Sua escola o ajuda a fundamentar a honra viril, espírito público, cooperação leal, boa comunhão, patriotismo e lealdade. A propósito, eu me pergunto se o incidente bem observado no seguinte corte do The Times ilustra alguma ligeira lição sobre a necessidade de impostos dada na escola. Se assim for, ele mostra que um pequeno faz um grande caminho; e Birmingham pode orgulhar-se de seu cidadão patriota, dotado com poder e vontade para extrair de pouca informação um bom princípio para sua orientação:

– “UM CONTRIBUINTE VOLUNTÁRIO. – Uma carta anônima foi recebida pelo Probate Registrar em Birmingham. Continha três encomendas postais por 20 centavos cada uma e um pedaço de papel sobre o qual foi escrito: – ‘Para o rei, ou para seus soldados, ou para manter o País avançando, um ordenado de impostos do rei, eu suponho, de quem o respeita. Deus o abençoe, Deus abençoe o Rei.’ Na margem estava escrito: – ‘eu espero que isto vá para os lugares certos, lugares que eu quero dizer.’”

O país e, na verdade, todos os países civilizados estão muito vivos no momento atual para a necessidade de treinamento moral, isto é, treinamento que deve auxiliar o aluno na formação de princípios de conduta; e a pergunta ansiosa é como dar esse treinamento. O gradual declínio do ensino da religião em nossas escolas faz com que seja urgente encontrar substituto efetivo; e tentamos ensinar a boa conduta por preceito e exemplo citado, por conto e conversa encorajada; o motivo que empregamos é o antigo, que o bom menino ganhe o “grande bolo”.

Todo tipo de ensinamento é bem sucedido, e muito provavelmente produziremos aquele tipo de virtude do século XVIII para o qual Maria Edgeworth e seu pai, Sr. Day, e muitas outras pessoas dignas trabalharam. Mas a água não se eleva mais do que a sua fonte e, se a nossas fontes de conduta são desejos para o nosso próprio bem-estar, por que é apenas possível que as virtudes que nós conseguimos produzir não são um pouco melhor em si mesmas do que os males que curamos, embora possam ser mais conveniente para a sociedade? O egoísmo, foi bem dito, não é o melhor por ser egoísmo eterno; e tal calamidade como um egoísmo altamente moral pode ultrapassar uma nação toda.

Mas se nós escaparmos de tal armadilha, nosso próprio vocabulário sobre o assunto de nossos “Princípios” é um guia suficiente. Por exemplo, devemos cumprir nosso dever – dizemos – e  dever é que o que é devido de nós. Nós devemos fazer assim e assado, nós dizemos, e devemos aquilo que temos por dívida. A quem devemos e quem é que reclama dívidas de nós? Nossos vizinhos, nossos companheiros, dizemos, nossos pais, parentes e outras pessoas em geral. Mas nós instintivamente sentimos que qualquer fidelidade que pagamos a reivindicações como essas é voluntária. Somos gentis na conduta, fiéis a compromissos, generosos em ação e construção, só porque escolhemos e se escolhemos; se as circunstâncias nos inclinam fortemente de outra forma – por que realmente não há nada para nos amarrar! Por todas as reivindicações de vizinho, chefe e país serem relativas; exceto como eles estão ligados, conectados e subordinados a uma reivindicação Suprema, nós os sentimos serem laços artificiais; e este é o segredo de uma agitação geral, de indisciplina em casa e na Universidade (ainda não na Inglaterra felizmente), da exaltação indevida de interesses individuais, seja de classe ou pessoa, da frouxidão com a qual todos os laços são mantidos. Nós sabemos como os bons e sábios em uma grande país irmão deploram a vulgaridade do divórcio; mas isso é apenas sintomático, uma indicação em um direção do afrouxamento dos laços em todas as direções. Estamos nos tornando emancipados de deveres e responsabilidades; e embora, fora daquela virtude que é inerradicável em nós, nós tomamos causas com entusiasmo, nosso zelo voluntário em uma “causa” não supre a persistência ordenada em um dever.

Nós admiramos o que chamamos de virtudes “pagãs”, seja na Grécia Antiga ou em Roma ou nas Nações do Oriente de hoje, e dizemos que a virtude pode existir sem sanções religiosas; mas nós esquecemos que Deus é o Deus de toda a carne, que as altas virtudes que admiramos se desenvolveram sob um quase paralisante sentido da imanência de Deus – por muitos nomes o princípio de A Bondade Divina pode ser reconhecido, por mais grosseiras que sejam as superstições associadas a “poucos, “fracos e débeis” raios da verdade. É porque a nossa União reconhece que o nosso dever, que inclui todas as nossas virtudes, é tão simplesmente obrigatório quanto reconhecermos a Relação Suprema em que deitamos nosso trabalho sobre uma base religiosa.

Mas é possível, por outro lado, ser religioso e não moral. De fato, existem nos dias de hoje, como em Jerusalém de antigamente, certas tendências acrimoniosas e arrogantes que prosperam em uma atmosfera religiosa. Portanto, embora tenhamos o poder motivador e as sanções para o esforço moral na religião, reconhecemos que a bondade é uma arte que devemos aprender definitivamente como aprendemos matemática. Este é o fato para o qual o mundo tem despertado e o ensino de moralidade agora toma o seu lugar comum sobre nosso currículo; isto é, nós adicionamos instrução definida à todo o ensino indefinido por preceito e exemplo que toda criança recebe. Mas é nosso zelo harmonizar o ensino da vontade ao conhecimento, com pilhas de exemplos, em parcimônia, verdade, temperança e todas as virtudes que escolhemos enfatizar porque elas são mais convenientes para a sociedade, e importam para o equilíbrio do caráter que é virtude? Tudo isso sem dúvida devemos fazer, mas há algo mais importante que deixamos por fazer. Um artesão consegue conhecimento de suas ferramentas e de seu material no uso de ambos, mas de alguma forma continuamos usando as ferramentas em nossas mãos, o material que temos que trabalhar para produzir a estatura de um homem perfeito, ao longo de toda a vida de um jeito acidental, sem sentido.

Mais importante ainda do que material para opiniões como equipamento para a vida são os princípios de conduta; e, apesar de todos nós reunirmos essas coisas à medida que vivemos, – juntamos nosso código de princípios, bons ou maus, sólidos ou infundados, – devemos, penso eu, ser grandemente assistidos se tivéssemos algum plano razoável sobre o qual trabalhar, se considerarmos isto, nosso material e nossas ferramentas.

É bom apelar para as emoções através de contos e canções, mas a resposta emocional é de curta duração e o apelo às emoções é amortecido pela repetição. A resposta do intelecto a um ensino coerente e consecutivo parece, pelo contrário, ser contínuo e duradouro. Meninos e meninas têm tanta capacidade de aprender o que é apresentado às suas mentes como têm os mais velhos; e, como os mais velhos, eles sentem grande prazer e interesse em um apelo ao seu entendimento que lhes descobre um plano fundamental da natureza humana – uma posse comum. É inspirador para eles saberem que todas as possibilidades belas e nobres estão presentes em todos, mas que cada pessoa está sujeita ao assalto e impedimento de várias formas, das quais ela deve estar ciente para poder vigiar e orar. Por mais que o ensino exortatório possa aborrecer tanto os jovens como os mais velhos, uma apresentação ordenada das possibilidades que residem na natureza humana e dos riscos que a acompanham dificilmente deixa de ter um efeito esclarecedor e estimulante. Um apelo aos jovens para fazerem o máximo de si mesmos por causa das vastas possibilidades que existem neles e da lei de Deus que os obrigam, raramente fracassa; mas tal apelo deveria tomar as duas linhas, indicar o dever e mostrar a possibilidade de satisfação.

Em nossa moral, como em nossa educação intelectual, trabalhamos muito sobre linhas utilitárias; Todos nós queremos o impulso de concepções mais amplas e mais profundas. Sabemos que um menino pode ser ensinado como seu corpo é servido por certos apetites e que cada um desses servos está atento para tornar-se governante; que o descanso, um bom servo, pode se tornar preguiça, um tirano; que a fome útil pode se tornar gula degradante; que cada apetite tem seu tempo; que manter o corpo puro é um dos grandes deveres que temos no mundo; que nós também temos uma árvore do conhecimento do bem e do mal plantada no jardim de nossos corpos; que os tentadores também nos procuram e nos dizem que podemos comer e não morrer, mas ser como deuses, conhecendo o bem e o mal; mas então, no momento em que comemos, nesse momento nós começamos a morrer; e que aqueles que se conservam puros de coração verão a Deus, não somente quando eles morrerem, mas, com os olhos de sua alma, sobre eles e ao lado deles – esse tipo de conhecimento ajudará um menino a glorificar a Deus em seu corpo: e o senso de que cada um dos apetites tão necessários ao seu corpo deve ser mantido em sujeição como um servo e não permitido a governar como um mestre, vai dar início a esse instinto de luta sobre o qual a segurança de cada alma humana deve depender.

Um menino pode ser ensinado qual riqueza ele possui em seus cinco sentidos, todas as alegrias que ele tem em ver e ouvir, em tocar também, (embora apenas os cegos saibam o quão satisfatórios estes podem tornar-se). Ele pode ser ensinado que preguiça no uso de seus sentidos traz consigo privação e é uma ofensa, e que cada um desses sentidos tão úteis pode ser mimado até que torne-se um mestre tirano. O prazer da vista pode mandá-lo para visões que o deixarão boquiaberto; O toque, aquele servo mais difundido e mais útil, pode se tornar uma causa de irritabilidade e impertinência; meninos e meninas podem ser ensinados a não dizer ou pensar que não gostam de mingau, ou carne de carneiro, ou batatas, para que não chegue a hora em que eles queiram coisas com muitos sabores para agradar seu gosto e aprendam a viver para o prazer de seu jantar. Todo jovem pode aprender a não se permitir ser muito delicado quanto aos alimentos, mas a ficar contente quando as coisas que ele não gosta são servidas porque isso lhe dá uma oportunidade para manter o paladar em seu próprio lugar- de servo e não de mestre.

Novamente, um menino deve ter alguma concepção das delícias que seu Intelecto é capaz de dar a ele, como ciência, história, matemática, filosofia, literatura, arte, estão todos diante dele, lugares agradáveis ​​e deliciosos, para serem abertos pela chave de conhecimento o qual ele deve trabalhar para conseguir; e que seus principais obstáculos são a inércia (uma espécie de preguiça  que nos faz relutantes em começar a pensar em qualquer coisa, menos nas pequenas questões da vida cotidiana), e o Hábito (que sempre está no mesmo terreno) – um servo excelente, mas um mestre ruim, inclinado a esterilizar o intelecto e a estreitar a vida. Vamos inspirar os jovens a ter, como Leonardo, um espírito “invariavelmente real (de realeza) e magnânimo”, cada vez maior no conhecimento da natureza e da arte, literatura e homem, do passado e do presente.

Se nos domínios do intelecto, da imaginação, do senso estético, da razão, daqueles desejos que fazem para o sustento da mente o que os apetites fazem pelo corpo – se em todos estes é nossa tarefa ver que os jovens são colocados no caminho de encontrar princípios para a sua orientação, ainda mais eles exigem instrução na ordenação dos dois grandes princípios morais de amor e justiça que residem em cada pessoa. Eles devem saber distinguir Amor de várias falsificações; que, como todos nós somos capazes de cordialidade, simpatia, amizade, amor, então somos todos capazes de frieza, antipatia, aversão, ódio; e que a nossa antipatia geralmente não é culpa da pessoa de quem não gostamos mas do nosso erro em não gostar.

É bom para um menino saber que ele tem dentro de si fundos de piedade, benevolência, simpatia, gentileza, generosidade, gratidão, coragem, lealdade, humildade, alegria; e é muito bom que ele saiba que ele não é excepcional no gozo de toda essa riqueza moral que se aloja, mais ou menos, no seio de todo ser humano. Ainda melhor é que ele seja colocado em guarda para que a piedade não seja inativa ou se degenere em autopiedade: ele deve ter consciência de que o egoísmo, a meticulosidade, a preguiça, a boa natureza em si, estão prontos para obstruir cada movimento daquela benevolência, ou boa vontade, que nós temos em nós para conceder a cada uma.

E assim, com toda manifestação de amor, cada um sendo atendido por suas próprias antipatias particulares.

Um menino é promovido também quando sabe que tem Justiça em seu coração; que somos todos capazes de pagar as dívidas da justiça, manter nossos próprios direitos e fazer render o de todas as outras pessoas; que somos capazes de mostrar a justiça que devemos à pessoa do outro; Observar a verdade, isto é, a justiça na palavra; integridade, ou justiça nas ações; para nos manter apenas no pensamento pela formação de opiniões sólidas; apenas motivados por manter bons princípios; apenas para nós mesmos na devida ordenação do corpo, mente e coração.

O menino deve saber também a função da Consciência; que a consciência pode ser adulterada e deve ser instruída; que na instrução da consciência, depois da Bíblia em si, poeta e ensaísta, romancista e dramaturgo, historiador e filósofo vêm em nosso auxílio; que, no governo do corpo, a consciência demanda temperança, castidade, fortaleza e prudência; que a natureza, a ciência e a arte, a sociologia e o autoconhecimento, todos se prestam à instrução da consciência; que a consciência nos repreende pela conivência do pecado, mas que apenas a consciência instruída percebe pecados de ignorância, tolerância, preconceito; que todo poder e função que uma pessoa possui e exerce também é uma avenida para a tentação de um tipo ou outro.

Portanto, o menino deve aprender o Caminho da Vontade, deve perceber que o trabalho da escolha está sobre ele todos os dias e todo o dia. Ele deve saber que a ordem de si mesmo, a devida coordenação de todos os seus poderes pertence à Vontade; que a Vontade não é nem moral nem imoral; que a função da vontade é escolher; que a escolha reside, não entre coisas, circunstâncias ou pessoas, mas entre idéias; que um ato da vontade evolui a partir de longa preparação da inteligência, das afeições e da consciência; que o que parece ser atos imediatos de Vontade é realmente apenas a aplicação de princípios e opiniões que foram formados lentamente; que as opiniões intelectuais, bem como os princípios morais, pertencem à esfera da vontade. Ele deve saber que a Vontade se afirma não pela luta, mas por um desvio de pensamento, a ser repetido tão frequentemente como o impulso errante é renovado. Cabe a ele saber tudo o que puder sobre esta faculdade prática do homem, porque a tarefa colocada diante de todos nós é exercitar a nossa própria salvação a partir dos hábitos básicos do corpo, hábitos frouxos da mente, afeições desordenadas de julgamentos morais convencionais e degradados; e a vontade é o instrumento pelo qual somos capazes de trabalhar.

Há apenas dois serviços abertos aos homens, aquele que tem a si mesmo como o fim e o centro, e aquele que tem Deus e, por conseqüência, o homem, por seu objeto. É possível, de fato, escolher o serviço de Deus inconscientemente, acreditando que temos apenas um desejo apaixonado de ajudar os homens, mas não é possível, de qualquer maneira, chegar ao serviço de Deus quando nosso objetivo é fazer o bem por nós mesmos. Portanto, não é suficiente reunir o poucoconhecimento que está aberto para nós sobre corpo, mente e coração, vontade e consciência. A mais íntima região que nós chamamos alma, aquele templo dedicado ao serviço do Deus vivo, cai sob a lei comum. Aqui também devemos ter um acréscimo gradual de opiniões reunidas a partir de um conhecimento profundo e amplo; e na conduta da alma também, nós devemos ser guiados por princípios derivados de nosso conhecimento e evoluídos a partir de nossas opiniões.

Talvez a primeira coisa que o menino precise aprender é que a religião não é opcional; que seu DEVER para com Deus é amá-Lo com todo o seu coração, com toda a sua alma, com toda a sua mente e com todas as suas forças; que o conhecimento de Deus e Seu serviço (oração, louvor e ação de graças), e os serviços do homem, são os vários atos deste dever principal. Mas, embora essa relação filial seja devida por nós a Deus, é natural, necessário e, acima de tudo, feliz, o menino deve aprender que a inércia, a preocupação com outras coisas, aversão involuntária (que pode até terminar em aversão voluntária), irá impedi-lo continuamente no gozo da mais próxima e mais querida de todas as intimidades e na satisfação da mais abençoada de todas as relações; que, aqui também, ele não deve tomar nada por garantido, mas deve trabalhar e orar.

O jovem, que tem um trabalho tão fundamental da natureza humana para trabalhar como eu tentei esboçar – quem conhece algo do comportamento do corpo, mente e coração, da vontade, consciência e alma, quem sabe como todos estes interagem e cooperam e são, de fato, um; e ainda como cada um tem seus próprios antagonistas e obstáculos, quem tem a certeza alegre de sucesso por causa da boa ajuda de seu Deus em esforços que ele sabe como direcionar – toma posse de um extraordinário terreno de vantagem em comparação com aquele cuja vida é uma questão casual. Ambos pretendem bem, ambos se levantam para todo conto de esforço heróico, para toda palavra de discernimento e inspiração; mas há apenas a diferença entre os dois que existe entre o menino que faz coletas aleatórias e deixa seus espécimes espalhados, sujos e desordenados – para ser varrido aos poucos para a pá de lixo – , e aquele outro menino que tem um conhecimento crescente de princípios científicos e é capaz de classificar os objetos que ele coleciona. O menino que tem, por assim dizer, um plano de si mesmo faz inconscientemente classificação moral de tudo o que ele ouve, vê, lê; uma classificação intelectual de todos os conhecimentos dispersos que vêm em seu caminho. Suas opiniões são um crescimento natural e vivo do amplo conhecimento que ele coletou mesmo durante sua adolescência; e seus princípios são os primícias e chefes dessas opiniões. Este culto cuidadoso da natureza humana não fará necessariamente um bom homem sábio mais do que a boa semente semeada na terra boa produzirá necessariamente frutos.

Ambos esperam sob sol e chuva; e essa dependência é a parte principal do conhecimento que um menino deveria ter; a diferença entre o campo natural e moral é que, no último, ele é absolutamente assegurado daquele sol e chuva pelo qual ele crescerá. Eu não tenho me prolongado sobre a necessidade da Graça Divina como o poder motor em todo esforço moral porque, como Sociedade, nós temos opiniões muito definidas sobre este assunto. Estamos persuadidos de que não apenas todo bem e todo presente perfeito (moral) é de cima, mas nós acreditamos que o Espírito Santo é o Supremo Educador da humanidade, distribuindo conhecimento aos homens como eles são capazes de recebê-lo, e educando aqueles que querem ser educados em coisas intelectuais e morais, práticas e espirituais.

Sabemos que, de cada campo de esforço humano, pode-se dizer:

 

“Porventura o lavrador passa o tempo todo a arar para a semeadura?

A preparar e a arrotear o seu solo?…

Não lança na terra o trigo e a cevada?…

O seu Deus mostrou-lhe o modo de fazê-lo.

Ele lhe ensinou….

Tudo isto vem do Senhor dos Exércitos,

maravilhoso nos seus conselhos,

grandioso nos seus feitos.”

 

Isto, seja a navegação aérea, ou a descoberta do Norte Pólo, ou um deleite infantil em história e literatura, ou percepção moral e conduta nobre, ou, aquele grito mais profundo da nossa natureza:

 

“Assim como a corça suspira pelas correntes das águas,

assim a minha alma suspira por Ti, ó Deus!”

 

Somos um e indivisíveis e todas estas coisas em sua época chegam até nós do alto; mas todas elas vêm por um caminho de retorno natural pelo trabalho compreensivo e diligente. Hoje, somos diligentes o suficiente em caminhos casuais, mas não cabe a nós também nos colocarmos a pergunta: “Vós compreendestes”?

Todos sabem a verdade de tudo aquilo que tenho promovido; e ainda assim continuamos de maneira informal, principalmente porque esse tipo de programa parece tão vasto e indefinido que não sabemos como atacá-lo, e deixamos nossos filhos à mercê de todo vento que sopra para opiniões e princípios fortuitos. Agora é isso que nós desta união temos para oferecer aos nossos membros. Nós realmente delineamos um esquema de educação que oferece o campo amplo que eu indiquei do qual reunir opiniões; nós delineamos, também, tal plano fundamental da natureza humana como eu esbocei; e mais, sabemos pela experiência de um número de anos que as crianças tomam com a avidez de quem consegue o que quer tal esquema de educação moral e intelectual. Eu digo que nós, como sociedade, temos essas coisas para oferecer, mas reconheço, felizmente, que a tendência geral do pensamento educacional está nessas duas direções. Portanto, achamos que podemos pedir aos pais a conveniência e o dever de conduzir a educação de seus filhos sobre algumas dessas linhas, e de buscar a (sempre disposta) cooperação de professores em dar tal educação assim com em emitir opiniões justas e princípios sólidos. Existem várias partes da educação que eu não toquei. Posso implorar-lhes para acreditar que não deixamos essas coisas por fazer, mas porque não é possível tratar do todo de um assunto tão grande em um único artigo, limito-me à consideração de dois artigos de guarnecimento de um menino – Opiniões e Princípios.

Você me permitirá oferecer meus mais calorosos e mais amigáveis ​​parabéns à Filial de Birmingham da P.N.E.U. por ocasião desta Conferência Anual? Eu sei bem (embora menos do que a nossa honorável secretária, com quem a ideia da nossas deliciosas Conferências Anuais se originaram e quem muitos de nós conhecemos como “o próprio pulso da máquina”), toda a energia e interesse que advêm para a realização de tal Conferência; e eu aprecio o resultado ainda mais porque, talvez vinte anos atrás, eu tentei em vão – embora as pessoas estivessem muito interessadas em nosso ensino distinto –  formar uma Filial de nossa União nesta grande cidade. Que a filial floresça e seja revigorada pelos nobres esforços que seu Comitê de  Conferência fez nesta ocasião.

Notas

1 – Silly season: Em tradução literal significa “estação boba”. Em alguns países compreende alguns meses durante o verão onde há poucas notícias importantes e os jornais são preenchidos com textos frívolos.

Traduzido e revisado por Gabriely Cruvinel e Lizie Henrique

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s